IDC: com mobilidade e cloud em alta, faltam desenvolvedores no mercado.

Mobilidade, Internet das Coisas e ampliação do mercado de segurança são outros temas pontuados pela consultoria que estarão na mira do CIO em 2015

IDC: com mobilidade e cloud em alta, faltam desenvolvedores no mercado. Veja outras previsões

falta de talentos qualificados em TI está tirando o sono dos CIOs. E, ao que tudo indica, esse desafio não será solucionado tão cedo. Agora, a preocupação gira em torno do apagão de profissionais voltados para o desenvolvimento de aplicações em linha com cloud e mobilidade. Segundo a IDC, o desenvolvimento voltado para a terceira plataforma, termo cunhado pela consultoria, vai demandar mais profissionais na área e deverá gerar um gargalo no mercado.

João Paulo Bruder, gerente de pesquisas de Telecom da IDC Brasil, diz que as companhias vão atualizar seus sistemas legados para tirar proveito das megatendências de TI. Para isso, contarão com o apoio de desenvolvedores, que focarão, especialmente, em soluções móveis. “Esse cenário vai acentuar a escassez de mão de obra”, pontua.

Veja abaixo essa e outras previsões da consultoria para o mercado de TI em 2015.

1. Serviços móveis e profissionais para redes impulsionarão o mercado de telecom
Até o final de 2015, a receita total de serviços de telecom alcançará US$ 104 bilhões no Brasil. Segundo a IDC, serviços móveis e redes corporativas vão impulsionar o segmento. Além disso, o 4G, ainda incipiente em solo nacional, vai ganhar massa crítica e deverá superar a marca de 11 milhões de usuários até o final do ano.

2. Mobilidade corporativa
Em busca de eficiência operacional e redução de custos, empresas vão focar no que a IDC chama de “mobilização” de processos. Segundo Pietro Delai, gerente de pesquisas e consultoria Enterprise da IDC Brasil, em 2015, companhias vão ingressar com força total na seara móvel e deverão trabalhar para desenvolver aplicativos para facilitar as rotinas de trabalho. A tendência ainda, diz, é que as operadoras sejam mais influentes e presentes nos processos de mobilidade.

3. Dispositivos móveis vão conectar nossas vidas de forma irreversível
Em 2010, no Brasil, o volume de vendas de computadores, tablets e smartphones foi de 19 milhões de unidades. Para 2015, a expectativa é de 87 milhões de unidades, crescimento de 46% ano a ano, movimentando US$ 27,5 bilhões.

Grande parte do volume virá do consumidor final, que vai adquirir essas tecnologias diretamente do varejo. Cenário que vai resultar em desafios para o universo corporativo, que verá novamente um crescimento do movimento do bring your own device (BYOD). “Com isso, o CIO vai perder o poder de decisão. Antes, ele dizia o dispositivo que poderia ser usado. Agora, o profissional escolhe”, observa Delai.

Os wearables – ou dispositivos vestíveis – vão ganhar força no mercado nacional e apresentarão salto superior em comparação com outros mercados, indica o gerente de pesquisas. “É uma tendência global e no Brasil vai mais do que dobrar”, conta.

4. Ampliação do mercado de segurança, impulsionado por mobilidade e nuvem
Com a expansão da base de usuários corporativos móveis, as preocupações voltam-se para a segurança. Hoje, a maioria dos dispositivos móveis não conta com recursos de segurança adicional.

Luciano Ramos, coordenador de pesquisa de software da IDC, pontua que essa é uma questão cultural. “No entanto, a adoção de cloud vai impulsionar o interesse na proteção para assegurar confiabilidade de acesso e dos dados”, observa. Assim, a consultoria prevê que segurança de Endpoint movimentará US$ 117 milhões em 2015.

5. Internet das Coisas ganha visibilidade
A Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) chega para melhorar o que já existe e tornar as empresas mais eficientes, acredita Bruder. A IDC prevê que 130 milhões de coisas estarão conectadas no Brasil até o final de 2015. No entanto, IoT ainda precisa de um modelo de negócios claro para decolar e o conceito ainda gera dúvidas nos CIOs. Onde armazenar os dados gerados pelas ‘coisas’? Quais são os riscos de segurança? Como planejar a rede? Como estabelecer o ROI?

Para os próximos meses, a IDC acredita que IoT estará nos planos de 19% das empresas em solo nacional, que buscam melhoria da qualidade de produtos e serviços, além do aumento de produtividade.

6. Maior proximidade de executivos de negócios vai acelerar o investimento em Big Data/Analytics
2014 foi o ano de entendimento de Big Data. Agora, segundo a IDC, iniciativas de Big Data e Analytics serão aceleradas. Soluções do tipo movimentarão US$ 788 milhões no mercado local em 2015, grande parte da demanda vai surgir das áreas de negócios: 35% do orçamento para projetos de Big Data virão de fora da TI.

7. Desenvolvimento para a terceira plataforma exigirá evolução dos desenvolvedores
A evolução dos sistemas corporativos vai exigir a adaptação de sistemas legados. Por isso, o mercado demandará um grande contingente de talentos para desenvolver soluções prontas para a nuvem e plataformas móveis.

O desenvolvimento e a implementação de aplicações seguirão em ritmo acelerado em 2015 e em 2018 a previsão é de que esse mercado movimente US$ 1,34 milhão no Brasil. Esse quadro vai gerar um gargalo no mercado que sofrerá com a escassez de profissionais. Metodologias ágeis e DevOps serão cruciais para driblar esse cenário, prevê a IDC.

8. Software defined continuará movendo a inteligência do hardware para o software
O software defined garante agilidade e simplicidade ao levar a inteligência de gestão e automatização do hardware para o software. A tendência está na mira das empresas. A IDC indica que ferramentas de gerenciamento de software, categoria da qual software defined faz parte, movimentarão US$ 411 milhões no Brasil em 2015.

9. Infraestrutura e serviços para cloud estarão no centro das atenções
A IDC projeta que o mercado local observará o crescimento de 50% da nuvem pública em 2015 no Brasil. Esse cenário será impulsionado pela necessidade de menor latência e agilidade de conteúdos e aplicações. O modelo híbrido será a escolha natural dos CIOs, relata a consultoria, sendo que Infraestrutura como Serviço (IaaS) é a modalidade de nuvem de maior crescimento, seguida por Software como Serviço (SaaS) e Plataforma como Serviço (PaaS).

10. CIOs + executivos de negócios
Executivos das áreas de negócios estão tomando, cada vez mais, decisões de tecnologia. Embora a implementação de TI à revelia do CIO agilize e facilite negócios, gera desafios de segurança e integração. Em 2015, CIOs vão trabalhar em cima dessas questões, promovendo mais proteção e governança.
Fonte: IT Forum 365

Post Author: Angelo M. Rodrigues

Desenvolvedor, Músico (nas horas vagas) e entusiasta de tecnologia. Trabalha com Tecnologias Web desde 1998, passando por diversos tipos de projetos nas áreas de distribuição, fabricação, financeira, comércio eletrônico, ERPs, entre outros.

Deixe uma resposta